Saúde para mais de metro


 

A saúde intestinal está relacionada com todo o funcionamento do organismo, e seu impacto no corpo é só alegria – literalmente! Dentre os fatores que contribuem para se dizer que um intestino é saudável ou não, são seus hóspedes!

Achou estranho?

É importante você saber que dentro do ser humano milhares, bilhares, na verdade, trilhares de microrganismos residem, em especial nos nossos intestinos. São bactérias, fungos, leveduras que devem conviver bem com  nossas células e tecidos. Assim como em quase tudo na vida, existem os bons microrganismos e aqueles que podem arruinar a vida de uma pessoa. É a chamada microbiota e entre boas e nocivas o ideal é que estejam em maior quantidade as que fazem bem. Acredite: isso fará toda a diferença na saúde do corpo que os hospeda.

Também é bom saber que os hábitos de uma pessoa definirão se a maior quantidade e prevalência desses microrganismos serão dos que protegem o corpo, aumentando a imunidade do hospedeiro, contribuindo para o um bom trânsito intestinal, melhorando o humor, o sono, a disposição, a pele e até a inteligência, ou se serão dos chamados patogênicos, causadores de doenças por liberarem toxinas no intestino, diminuírem a ação do sistema imunológico, diminuírem a seleção do intestino nas absorções, causarem gases, flatulência, fezes fétidas e de consistências ou muito moles, ou muito endurecidas, dificuldades com o sono, diminuição da sensação de bem-estar, comprometimento dos níveis de hormônios como testosterona e melatonina, dificuldade de destoxificação e até depressão.

Uau! A essas alturas certamente você quer saber o que fazer para ter uma microbiota saudável! Não tem segredo! É indispensável uma alimentação diversificada e rica em alimentos fontes de vitaminas e fibras.  E aí pode ser que muitos hábitos alimentares precisem ser adequados! Quando se pensa em mudança no estilo de vida, é fundamental refletir sobre as escolhas alimentares. Frutas e hortaliças, especialmente os crus, alimentos minimamente processados e industrializados, e um “chega pra lá” nos aditivos artificiais, como corantes, conservantes, estabilizantes e outros nomes que você nem sabe soletrar e que estão lá no rótulo. Aliás, se tem rótulo já deve ser diminuído o consumo, em sua maioria, afinal uma suculenta maçã, uma banana deliciosa não precisam de legenda pra saber seus ingredientes; elas são o ingrediente.  Nessa busca por saúde e bem-estar, a procura por alimentos e bebidas funcionais também vem crescendo. O nome “alimentos funcionais” é porque, de fato, “funcionam”, isto é, têm funções benéficas provadas para o organismo. Esse comportamento do mercado tem incentivado o desenvolvimento de pesquisas e novos produtos promotores de saúde.

No Brasil, alimentos probióticos são exemplos relevantes da ampliação deste mercado, como: iogurtes, kefir (água e leite), kombucha, fermentos de panificação (levin), dentre outros.

Probióticos são microrganismos que quando administrados em quantidades adequadas trazem todos aqueles benefícios à saúde citados lá em cima. A kombucha é um deles – bebida probiótica, tradicionalmente asiática, preparada à partir da fermentação da infusão das folhas de Camellia sinensis (L.) Kuntze (chá verde, preto, branco, oolong ou puehr). Com toda a peculiaridade, o chamado “scoby” – uma colônia simbiótica de bactérias e leveduras, parecido com uma “panqueca”, é o grande protagonista desta bebida semelhante a um espumante, com sabor ácido e refrescante, similar à cidra de maçã.

Quando não alcoólica é uma excelente fonte de saúde! Uma bebida viva!

Quer saber mais, procure seu nutricionista e aproveite ao máximo o alimento como fonte de saúde!

 

Amanda Lima Gonçalves

Nutricionista

 

REFERÊNCIAS :

Oliveira JL, Almeida C, Bomfim NS. A importância do uso de probióticos na saúde humana. Unoesc & Ciência – ACBS. 2017; 8(1):7-12.

Marin M, Madruga NA, Rodrigues RS, Machado MRG. Caracterização físico-química e sensorial de bebida probiótica de soja. B. CEPPA 2014;32(1):93-104.

Filippis F, Troise AD, Vitaglione P, Ercolini D. Different temperatures select distinctive acetic acid bacteria species and promotes organic acids production during Kombucha tea fermentation. Food Microbiol. 2018;73:11-16. DOI: 10.1016/j.fm.2018.01.008.